Protesto contra o CAPS AD 3?

Um grupo de moradores dos bairros Novo Horizonte e Moradas de Parati protestaram, no dia 30 de abril, contra a construção do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPS AD 3). Numa recente reportagem publicada no jornal A Tribuna, os moradores afirmaram não serem contra o CAPS AD III na cidade, no entanto, são contra a construção ao lado de instituições de Educação Infantil e de Ensino Fundamental.

Em Rondonópolis, há outros CAPS, entre eles o CAPS AD II, ao lado da praça da Saudade, numa região da cidade com diversas residências e comércios. As pessoas que moram ou trafegam por ali não sofrem nenhum risco ou prejuízo por causa dos usuários atendidos pela instituição.

É necessário, também, lembrarmos que pouco é falado nas mídias sobre a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) e esse desconhecimento pode ter levado a esse ato.  A RAPS integra o Sistema Único de Saúde (SUS), cuja operacionalização faz parte da Política Nacional de Saúde Mental, presente desde a Atenção Básica da saúde aos leitos em Hospitais Gerais. O CAPS faz parte dessa rede e é uma instituição que atende as pessoas que fazem uso problemático de substâncias psicoativas com a proposta da Redução de danos, visando a sua reinserção social e a ampliação dos direitos de cada usuário do sistema de saúde.

O protesto contra a construção de um CAPS está na contramão de diversas manifestações que exigem melhorias nas políticas de saúde pública. Estigmatizar os usuários dos CAPS e apontá-los como possíveis criminosos, como os moradores desses dois bairros fizeram, é de extrema intolerância e viola o direito ao respeito do cidadão.

Vale acrescentar de que a maioria das pessoas que recebem o cuidado e atenção dos serviços do CAPS não possui o histórico de crimes, são apenas pessoas que fazem uso de substâncias, sendo estas muitas vezes legalizadas pela sociedade, como é o caso do álcool que, inclusive, os seus usuários constituem a maior demanda da instituição.

Tal manifestação é apenas um sinal de que a população não conhece o serviço multiprofissional dos trabalhadores de saúde mental; pois o poder público pouco faz para a população conhecer essas atividades. Nesse sentido, vemos vereadores a apoiar o protesto. Ao invés de contribuir com a desinformação dos moradores, esses representantes da câmara poderiam informá-los sobre os benefícios e avanços que o CAPS irá trazer tanto para o bairro quanto para toda a cidade de Rondonópolis, ou ao menos convidá-los a conhecer os serviços que essa instituição oferece à cidade.

Resumindo, é importante que os moradores apoiem os avanços nas políticas de saúde pública que Rondonópolis recebe. De preferência, sem medos ou preconceitos, pois a implantação de CAPS não oferece risco à população; pelo contrário, o que coloca a sociedade em risco é não oferecer atendimento às pessoas que fazem uso problemático de álcool e outras drogas.

Lançamento de VISÕES

Solstício ao Luar foi uma jornada, um período de interessantes aprendizados. Foi publicado em 2013 e a partir dessa data o livro me proporcionou diversas coisas boas. Agora é hora de investir na minha mais nova obra: VISÕES, pela editora Penalux.

O meu irmão Ricardo mais uma vez fez um belíssimo anúncio do lançamento do livro. Esse cara arrebenta demais. Vale a pena conferir seus trabalhos, aproveitem e curtem a página dele: Bozzeto Design.

 

Em breve mais informações sobre o VISÕES…

 

Todos estão convidados:
IMG-20150502-WA0001